Glória de Dourados, 24 de Junho de 2021
Quarta, 09 de Junho de 2021 - 07h36
Chile massacra Bolívia, mas cede o empate e deixa escapar chance de entrar no G4
Depois de péssimo início nas Eliminatórias, com somente uma vitória em cinco jogos

MIDIAMAX

 

Reprodução
Reprodução

Foram três, quatro, cinco, muitas chances claras criadas e desperdiçadas. Num jogo no qual massacrou a Bolívia do início ao fim e merecia vitória tranquila em Santiago, o Chile acabou cedendo o empate após derrubar a muralha defensiva rival e, com tropeço por 1 a 1, deixou escapar a chance de fechar a rodada das Eliminatórias na zona de classificação à Copa do Mundo do Catar.

Após abrir o marcador com Pulgar, na metade da segunda etapa, imaginava-se que o Chile conseguiria segurar o resultado num jogo até então sem sustos frente um oponente defensivo. Porém, uma bola na mão dentro da área mudou o rumo da partida. Moreno decretou o castigo chileno com gol de pênalti.

Depois de péssimo início nas Eliminatórias, com somente uma vitória em cinco jogos, o Chile entrou em campo sonhando em dormir na zona de classificação para a Copa. Mesmo com somente cinco pontos, um triunfo o levava ao quarto lugar pelo tropeço dos oponentes, nos critérios de desempate. Teria mais saldo de gols que o Uruguai.

A rodada era perfeita com derrapadas de uruguaios, do Paraguai e da Colômbia. Os três pontos no estádio San Carlos de Apoquindo, em Santiago, eram imprescindíveis diante de um adversário que não deve lutar na parte de cima da classificação.

O técnico Martín Lasarte não apenas escalou a equipe ofensivamente como a fez adotar postura de buscar o ataque desde o apito inicial. Foi um bombardeio ao gol de Lampe, que trabalhou muito antes do intervalo e ainda viu a sorte ajudar com zagueiro salvando bola em cima da linha ou a bola raspar a trave.

O 0 a 0 no intervalo acabou barato aos visitantes e não refletiu o futebol apresentado por ambos em campo. Foram 12 finalizações do contra 1. O Chile se cansou de perder gols, enquanto a Bolívia não passava do meio campo.

Segurar os chilenos, apenas, não agradou o treinador boliviano, que voltou dos vestiários com três substituições e prometendo "atacar". Sua seleção, de cara, assustou. Equilibraria uma partida, até então, totalmente adversa?

Marcelo Moreno, do Cruzeiro, até então isolado, ganhou a parceria de Arce, com passagem pelo Corinthians no ano do rebaixamento, em 2017. Tentaram algumas vezes chegar, mas rapidamente o Chile resgatou o domínio das ações.

E, assim como nos 45 minutos iniciais, sem conseguir balançar as redes. Ora parando em Lampe, ora mandando a bola para o alto. O martírio chileno durou 69 minutos até seus meias "resolverem". Aranguiz cruzou para infiltração surpresa de Pulgar, que abriu o marcador de cabeça. Os sorrisos na comemoração mostravam o alívio dos jogadores de La Roja.

O alívio, contudo, não durou nem 10 minutos. Se transformou em drama com um pênalti anotado após chute de Moreno bater na mão de Maripán. O artilheiro das Eliminatórias bateu no ângulo e empatou. Sexto gol dele na competição.

O Chile, que tanto lutou para abrir o marcador, tinha apenas 8 minutos e os acréscimos para evitar a frustração num jogo no qual massacrou e merecia os três pontos. Desta vez, na base do desespero, as jogadas não deram certo e a equipe voltou a lamentar um resultado ruim. Ausente na Copa da Rússia, em 2018, o martírio chileno parece longe de terminar.

 
© 2012 - 2017 - GloriaInforma - Todos os Direitos Reservados